Notícia

Portugal: Fundo de coesão investe 68 milhões de euros para modernizar a linha do Minho

O projeto faz parte do corredor ferroviário Porto-Valença-Espanha, que desempenha uma importante função na economia da região. Além disso, a modernização vai melhorar o conforto, a segurança e a fiabilidade da linha, reduzir o tempo de viagem em cerca de 10 minutos nos comboios internacionais, e apoiar o desenvolvimento do transporte intermodal através da ligação de nós importantes, como o Porto de Leixões, o Aeroporto Francisco Sá Carneiro e as plataformas logísticas.

Carlos Moedas, comissário europeu da Investigação, Ciência e Inovação, afirmou: «Esta modernização da linha ferroviária do Minho irá reforçar a conectividade de Portugal com o resto da Europa, ao longo da costa atlântica. Para além de se promover a transição para um transporte mais respeitador do ambiente, passageiros e empresas vão beneficiar de melhores ligações com a região espanhola da Galiza e de uma maior mobilidade no Grande Porto.» 

Este investimento de 68 milhões de EUR representa a segunda fase de um projeto de coesão no valor global de 125 milhões de EUR. Esta segunda fase inclui a eletrificação da linha e a construção de quatro estações em Midões, Barroselas, Carreço e Carvalha, a fim de permitir a passagem de comboios de mercadorias de maior dimensão. O troço ferroviário deverá estar operacional em 2021. (Para mais informações: Christian Spahr – Tel.: +32 2 295 00 55; Sophie Dupin de Saint-Cyr — Tel.: +32 229 56169)

Partilhar:
Voltar